sexta-feira, 30 de maio de 2014

O elefante de Bagdá


Alguns viajantes, provenientes da Índia, trouxeram um elefante para Bagdá e acomodaram o animal num estábulo escuro. A população, querendo saber com o que aquele animal se parecia, correu para o estábulo. Como não podiam vê-lo com os próprios olhos, os visitantes apalparam cuidadosamente o animal com as mãos.
Um deles tocou a tromba e disse:
- Este animal parece com um tubo bem grosso!
Outro, que apalpou as orelhas, exclamou:
- Diria, antes, que parece um grande leque!
Um terceiro, que acariciou uma pata, protestou:
- Que nada! O que chamam de elefante é parecido com uma coluna muito grossa!
Cada um deles descreveu o elefante a seu modo, conforme a parte do corpo que tocava.
Todavia, se tivessem uma vela, suas opiniões também não seriam coincidentes. É que nossos olhos muitas vezes nos enganam tanto quanto a ponta dos nossos dedos...

(Segundo o poeta místico persa Rumi, 1207-1273 apud PIQUEMAL, Michel; LAGAUTRIERE, Philippe. Fábulas Filosóficas. 2 ed. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 2009, páginas 114 e 115).

Discutindo filosofia:

Tudo o que sabemos sobre o mundo devemos à percepção de nossos sentidos. Os filósofos, então, fizeram a seguinte pergunta: e se nossos sentidos fossem imperfeitos, realmente enganadores? Desse modo, as descobertas científicas sobre o infinitamente grande e o infinitamente pequeno provam que não podemos confiar em nossos olhos. Um telescópio e um simples microscópio nos fazem penetrar em outras realidades desconhecidas. Seríamos, então semelhantes a cegos, como visitantes dessa fábula?

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *